Ser mãe é ser … mãe!

Se não é a primeira palavra que uma criança aprende a falar, “mamãe” está definitivamente entre as primeiras e, sem dúvida nenhuma, é a mais usada pelos pequenos.

Sempre que alguma coisa não vai bem nas inúmeras novas experiências de vida de uma criança, a mamãe é o refúgio e o ponto de partida. Sempre que as coisas dão certo, a mamãe é ( geralmente) a primeira a compartilhar da imensa felicidade de seus protegidos!

Não importa o quão ligada seja uma criança com o papai, a mamãe está em um nível de conexão mais intenso, e não é sem motivo! A gestação, os primeiros contatos e as primeiras mamadas, tudo contribui para uma conexão profunda e indiscutivelmente mágica com a matriarca.

Desde que as meninas nasceram, tento ao máximo manter um relacionamento muito próximo com elas. Em casa, tentamos criar um ambiente de comunicação aberta e intensa e tudo tem funcionado bem. Mas a ligação que elas mantém com a mãe me impressiona todos os dias.

Criar os filhos até que não é tão difícil, o que realmente é desafiador é educá-los, prepará-los para enfrentarem o “mundo lá fora”, para serem pessoas de valores, justas e dignas de reconhecimento, amor e sucesso, independentemente do que isso possa significar para elas (afinal “sucesso” significa diferentes coisas para diferentes pessoas, ou mesmo para as mesmas pessoas em diferentes momentos da vida)!

E lá está a mamãe de novo … trabalhando cada segundo desse processo de ensino (e aprendizagem) que é a educação de uma criança!

Sim, eu sei, o papai também tem um papel (muito) importante nesse processo todo e é responsável por muita coisa na formação desses pequeninos seres (temporariamente semi?) autônomos, e claro, me esforço ao máximo para atender tudo do que me compete, mas é da mamãe que estamos falando aqui ;).

Aliás, especialmente quando me tornei pai foi quando passei a enxergar as mamães de outra forma, mais intensa e “humanizada”! Filhos nunca enxergam seus pais como “humanos”, mas como “super seres” que tem, entre outros, o poder de prever algumas situações enquanto “pegam no pé” por coisas hora insignificantes, hora desnecessárias!

Minha mãe já dizia: “ser mãe é sofrer no paraíso”!

Sempre achei graça nessa frase, até ver minha esposa se tornar mãe e, de fato, sofrer no paraíso! O “sofrimento” vem de muitas maneiras e com intensidades diferentes para cada uma das mamães, mas é certo.

Seja pela difícil hora da mamada, em que a criança sofre pra aprender a mamar ( sim sim, a criança precisa aprender a colocar a boquinha no peito da mãe e sugar de maneira apropriada para se alimentar direito) ou pelo momento das primeiras cólicas; das noites em claro por causa de dentinhos ou até a ansiedade de uma atividade nova na escola!

São tantas coisas diferentes, sem nenhum manual de usuário, tecla SAP ou pause!

Enfim, ser mãe é muito mais do que podemos expressar em palavras, ou pelo menos em poucas palavras! Ser mãe é… ser mãe! Simples assim, complexo assim.

Este post é o registro do meu mais profundo sentimento de admiração por todas as mamães do mundo, em especial a todas as que têm ou tiveram conexão direta com a minha pessoa …

Vocês são demais! ❤️

Até a próxima.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.