Este blog está completando 12 anos! 😱 Obrigado por ser parte dessa história! 🤘

Comecei a escrever este blog alguns meses antes de embarcar pela primeira vez para o Japão, no final de 2007. Logo serão 12 anos!

Quando a Arianne e eu viemos pela primeira vez, estávamos no espírito do movimento dekassegui, tão conhecido pela comunidade de descendentes de japoneses. A ideia do blog era manter um diário para registrar a nossa experiência e compartilhar com aqueles que estavam ficando no Brasil, entre familiares e amigos.

De lá para cá, acabei reduzindo a frequência com a qual tenho publicado conteúdos por aqui. As razões são diversas, mas acho que a escassez de tempo é a principal razão, além de também estar compartilhando algum conteúdo em outras mídias, como: Instagram, Twitter, Medium e Quora.

Sim, é isso. Não tem Facebook na lista! 🤘 Já tem um bom tempo que deixei de usar/ postar conteúdos diretamente no Facebook e só mantenho minha conta aberta por razões puramente técnicas, mas isso é assunto pra outro post! 😉

Instagram e Twitter são as plataformas que tenho usado com mais frequência e, naturalmente, por onde você pode fazer um contato de forma mais rápida! Então, se ainda não estamos conectados por lá, fica o convite.

Mas hoje, gostaria apenas de te agradecer por estar me acompanhando. Obrigado por fazer parte dessa história. Os últimos 12 anos passaram rápido, mas foram espetaculares.

Você foi vendido!

É, essa foi a mensagem que eu recebi do haveibeenpwned.com, do Troy Hunt.

Para aqueles não familiarizados com o serviço, em resumo, é uma base de dados gigantesca que coleta (praticamente) todas as ocorrências de vazamentos de dados na internet (darkweb, etc) e as transforma em informação pesquisável. Então, você pode conferir de forma bem simples se o seu e-mail está em uma dessas listas vendidas por aí.

Bom, no final das contas, receber uma notícia como essa não é tão ruim assim, porque te dá a oportunidade de agir de maneira antecipada para fortalecer a segurança de suas contas online.

A primeira ação a ser tomada quando você tem uma notícia desse tipo é trocar a sua senha para uma (realmente) forte e única, além de ativar o sistema de autenticação de dois fatores (two-factor authentication) nas suas contas, quando disponível.

Embora isso ajude a resolver o problema, está longe de resolver complemtamente. O problema vai muito mais além do que parece. É um tanto complicado para se gerenciar senhas realmente seguras e únicas, e é aqui que gerenciadores de senhas vem ao seu resgate.

Eu recomendo que você use o 1Password (o mesmo que uso atualmente), ou o Dashlane (um que usei por mais de dois anos), ambos são aplicativos muito seguros e fáceis de usar, que vão te ajudar a administrar e criar senhas realmente seguras, além de algumas outras funcionalidades extras.

Beleza! Então problema resolvido, certo?

Na verdade, não!

Basicamente, mantendo senhas únicas e fortes para cada uma das suas contas online, com contra-medidas adicionais (ex. dois fatores de autenticação), vai tornar muito mais difícil para que alguém invada suas contas, porém, o seu endereço de e-mail real continua disponível para se tornar alvo de engenharias sociais, tentativas de roubos de senhas e SPAMs (aqueles e-mails indesejáveis)!

Agora, que tal se você puder usar uma senha forte e única aliada a um endereço de e-mail também aleatório e único para cada um dos serviços que você é cliente? Assim, você está criando mais uma camada de segurança e privacidade, não é mesmo?

Existe um serviço (gratuíto) chamado 10minutemail que, basicamente, cria um endereço de e-mail dinâmico e descartável para você e que dura por apenas 10 minutos! Parece que é possível extender a vida útil do endereço indefinidamente, mas o lado ruim disso tudo é que você precisa lembrar de renovar o link a cada 10 minutos (claro)!

É um serviço muito bacana e que te ajuda a rapidamente criar endereços aleatórios para se registrar em serviços online que você não quer realmente usar. Afinal de contas, será bem complicado receber notificações do provedor do serviço, ou recuperar a sua senha caso você se esqueça do endereço criado, ou depois que ele simplesmente expirar.

Tem um outro carinha que criou uma extenção do navegador Chrome e um tutorial muito prático sobre como criar estes e-mails aleatórios para cada serviço baseado em um esquema com domínio próprio que você pode registrar muito barato por aí. A técnica dele é usar uma artimanha com uma configuração chamada “catch-all“. Parece ser uma boa forma de fazer isso funcionar, mas o lado ruim é que você tem que estar confortável com um lado mais técnico de registro e configurações de domínios. Além disso, essa técnica também não te ajuda a parar SPAMs quando seus e-mails forem vazados na Internet.

Bem, então, porque não colocar as duas idéias juntas e mais algumas funcionalidades muito úteis?

Foi assim que decidi criar algo que preenchia as lacunas e implementaria as funcionalidades das quais eu estava sentindo falta. E assim, o Mail Shield foi criado.

ms-logo

Em resumo, o Mail Shield cria endereços de e-mail aleatórios, descartáveis e únicos (que eu chamo de escudos – shields, em Inglês) para cada serviço online que você usa por aí, então, toda e qualquer mensagem recebida por esses escudos virtuais serão entregues no seu endereço de e-mail real sem que este seja revelado para o remetente.

Uma vantagem é que toda mensagem recebida por qualquer escudo é validada contra filtros de SPAM e listas negras personalizadas mesmo antes de serem entregues na sua caixa de e-mail (onde provavelmente haverá um segundo filtro contra SPAMs operando).

Diferente do que acontece com aquela estratégia “catch-all“, todo e qualquer escudo existente pode ser temporariamente colocado em pausa ou definitivamente excluído, parando quaisquer mensagens que sejam endereçadas a eles e ajudando a manter a sua caixa de e-mails livre de SPAMs.

Ainda, se você escolher não se desfazer de um escudo por conta de um remetente, você poderá simplesmente colocar o remetente na lista negra, o que (em certo grau) vai ajudar ultras pessoas que também usam o serviço.

Uma extensão para o navegador Chrome (Firefox e Safari já estão nos planos) vai te ajudar a criar novos escudos sempre que você precisar, sem mesmo ter que entrar no app. Um clique e pronto.

Utilizando-se do Mail Shield junto com um gerenciador de senhas (como o 1Password) vai criar uma camada adicional de segurança e privacidade para sua identidade online.

O Mail Shield está em versão beta e, por enquanto, suas funcionalidades serão 100% gratuitas (ok, ok … não tem muita coisa ainda, mas estou trabalhando nisso e, sinceramente, acredito que o que já está funcionando é extremamente útil).

Se você quiser colaborar e tiver sugestões (pedidos de novas funcionalidades, encontrar algum problema, etc), ou tiver perguntas, por favor entre em contato comigo. 😉

Por último, mas não menos importante … se você gostou deste artigo e/ou do Mail Shield, me ajude a divulgar o produto, compartilhando com a sua turma. Curta este artigo e me siga no Twitter.

Obrigado por ler até aqui. Nos vemos usando o Mail Shield, certo?  👋🍻

Ser mãe é ser … mãe!

Se não é a primeira palavra que uma criança aprende a falar, “mamãe” está definitivamente entre as primeiras e, sem dúvida nenhuma, é a mais usada pelos pequenos.

Sempre que alguma coisa não vai bem nas inúmeras novas experiências de vida de uma criança, a mamãe é o refúgio e o ponto de partida. Sempre que as coisas dão certo, a mamãe é ( geralmente) a primeira a compartilhar da imensa felicidade de seus protegidos!

Não importa o quão ligada seja uma criança com o papai, a mamãe está em um nível de conexão mais intenso, e não é sem motivo! A gestação, os primeiros contatos e as primeiras mamadas, tudo contribui para uma conexão profunda e indiscutivelmente mágica com a matriarca.

Desde que as meninas nasceram, tento ao máximo manter um relacionamento muito próximo com elas. Em casa, tentamos criar um ambiente de comunicação aberta e intensa e tudo tem funcionado bem. Mas a ligação que elas mantém com a mãe me impressiona todos os dias.

Criar os filhos até que não é tão difícil, o que realmente é desafiador é educá-los, prepará-los para enfrentarem o “mundo lá fora”, para serem pessoas de valores, justas e dignas de reconhecimento, amor e sucesso, independentemente do que isso possa significar para elas (afinal “sucesso” significa diferentes coisas para diferentes pessoas, ou mesmo para as mesmas pessoas em diferentes momentos da vida)!

E lá está a mamãe de novo … trabalhando cada segundo desse processo de ensino (e aprendizagem) que é a educação de uma criança!

Sim, eu sei, o papai também tem um papel (muito) importante nesse processo todo e é responsável por muita coisa na formação desses pequeninos seres (temporariamente semi?) autônomos, e claro, me esforço ao máximo para atender tudo do que me compete, mas é da mamãe que estamos falando aqui ;).

Aliás, especialmente quando me tornei pai foi quando passei a enxergar as mamães de outra forma, mais intensa e “humanizada”! Filhos nunca enxergam seus pais como “humanos”, mas como “super seres” que tem, entre outros, o poder de prever algumas situações enquanto “pegam no pé” por coisas hora insignificantes, hora desnecessárias!

Minha mãe já dizia: “ser mãe é sofrer no paraíso”!

Sempre achei graça nessa frase, até ver minha esposa se tornar mãe e, de fato, sofrer no paraíso! O “sofrimento” vem de muitas maneiras e com intensidades diferentes para cada uma das mamães, mas é certo.

Seja pela difícil hora da mamada, em que a criança sofre pra aprender a mamar ( sim sim, a criança precisa aprender a colocar a boquinha no peito da mãe e sugar de maneira apropriada para se alimentar direito) ou pelo momento das primeiras cólicas; das noites em claro por causa de dentinhos ou até a ansiedade de uma atividade nova na escola!

São tantas coisas diferentes, sem nenhum manual de usuário, tecla SAP ou pause!

Enfim, ser mãe é muito mais do que podemos expressar em palavras, ou pelo menos em poucas palavras! Ser mãe é… ser mãe! Simples assim, complexo assim.

Este post é o registro do meu mais profundo sentimento de admiração por todas as mamães do mundo, em especial a todas as que têm ou tiveram conexão direta com a minha pessoa …

Vocês são demais! ❤️

Até a próxima.

As 10 coisas que aprendi com a paternidade.

Olá!

A paternidade é uma experiência incrível. Eu sabia que um dia teria filhos, mas nunca havia pensado ou planejado quando isso aconteceria.

Hoje tenho duas filhas, duas pequenas criaturas que tem me ensinado muito, mesmo com tão pouca idade.

Ser pai não é fácil, ser mãe muito menos!

Certa vez alguém me disse que criar os filhos é “moleza”, a parte difícil é educá-los e prepará-los para o Mundo. Seja lá quem for que tenha me dito isso, tinha toda a razão.

Talvez o fato de sermos imigrantes em um país com uma cultura muito diferente da nossa, como brasileiros, potencialize tais experiências.

Aqui vão 10 das diversas coisas que aprendi com a paternidade:

1. Seja presente, não “esteja presente”

A diferença pode ser sútil na frase, mas é muito significativa na vida, especialmente na da criança.

Ser presente não significa estar no mesmo ambiente. Estar lá, mas não interagir, conversar ou não participar das brincadeiras que eles propõem é a mesma coisa que não estar. As crianças querem atenção, algumas vezes exclusiva.

Sempre que você da preferência para qualquer outra coisa, quando seus filhos pedem sua atenção (celulares, jogos, etc), você os estará ensinando a fazer o mesmo quando você precisar da atenção deles, e quando adultos, provavelmente eles também não saberão dar prioridade para o que, de fato é importante.

2. Ensine com exemplos

Com o amplo acesso à informação, hoje seus filhos tem muitos exemplos inadequados mundo a fora.

Se você tentar ensiná-los com o velho “manda quem pode e obedece quem tem juízo”, eles vão apenas aprender a mostrar pra você o que você quer ver.

3. Tenha paciência

A criança passa por diversas fases, cada uma com suas peculiaridades e, claro, varia muito de criança para criança.

Mas uma coisa é fato (pelo menos notei isso nas minhas filhas, mesma muito diferentes em personalidade) o estresse gerado pela falta de paciência, potencializa as crises de desobediência e birras, criando um ciclo vicioso!

Seja paciente, seja presente (lembra do item 1, se não lembrar, volte e releia) e doe muito amor. Você notará a diferença instantaneamente.

4. Seus filhos realmente não se importam com o quanto você ganha. Eles querem é você por perto!

O que o seu filho/a, enquanto pequeno, realmente quer é tê-lo por perto, pra curtir contigo, eles não fazem ideia se você é rico ou pobre e quanto você ganha por mês.

O que realmente importa pra ele/a é a quantidade de tempo e a qualidade da atenção que você dispensa à ele/a. No final do dia, tudo o que importa e que irá fazê-los felizes é o amor que eles recebem.

5. Medo

Toda criança reage de maneira diferente frente às novas experiências. A minha mais velha é mais sensível e desconfiada ao enfrentar situações inusitadas. Já a mais nova é mais desbravadora e curte o “friozinho na barriga”.

Mas de uma maneira ou de outra, ambas se sentem super confortáveis e protegidas (especialmente) no colo da mãe.

Para elas, mesmo as coisas que parecem simples para você, podem ser um desafio incrível e uma enorme fonte de desconforto e medo.

Seja cauteloso e paciente (item 3). 😉

6. Escola (e adaptação)

Essa é uma experiência bem relevante para quem, como nós, mora fora do Brasil.

Chegou a hora de entrar na escola! Por onde começar: escolas brasileiras, internacionais ou japonesas?

Nós optamos por colocá-las em escolas japonesas e foram varias as razões que nos fizeram tomar essa decisão. Claro, isso é uma decisão muito particular de cada família.

A escola em si pode representar um desafio gigante para a criança, especialmente neste caso em que ela “enfrentará” um segundo idioma de forma intensa e sem a sua presença.

Mas não se engane, crianças aprendem rápido e se adaptam muito facilmente. Basta que elas se sintam confortáveis e protegidas, sintam que existe um “porto seguro” onde ancorar quando as marés estiverem turbulentas, que elas se sairão muito bem.

7. Alfabetização em múltiplos idiomas

Um dos dilemas de uma família de imigrantes, quando os filhos entram em idade escolar, é onde e como eles serão alfabetizados.

Se colocá-los em escolas internacionais, falando o idioma materno e aprendendo sobre o país em que não vivem, as crianças enfrentarão dificuldades com a inclusão na cultura local.

Se colocá-los em escolas locais, serão alfabetizados no idioma local, no nosso caso em Japonês, com forte influência da cultura e, com o passar do tempo, eles terão o desafio de manter também as tradições e costumes da pátria materna.

Não importa qual o caminho você siga, sempre haverá um desafio a ser superado na educação dos seus filhos, e em qualquer caso, tudo será novo e muito intenso na vida das crianças.

Se alfabetizados no idioma materno, diferente do que se fala na rua, elas sofrerão o impacto da adaptação. Se alfabetizados no idioma local, diferente do falado em casa, eles terão o desafio de também aprender o idioma materno para se comunicar em casa.

Neste exato momento, não sei se estou preparado para enfrentar os desafios das escolhas que fizemos. Mas seja como for, a chave é a presença (lembra do item 1?); a paciência (lembra do item 3?) e a comunicação aberta com seus pequenos.

8. Comunique-se

Sendo uma família de expatriados, imigrantes ou vivendo em seu próprio país, é preciso ensinar seus filhos, com exemplos (lembra do item 2?) e com orientações diretas que a comunicação é a chave para a boa convivência familiar e social.

Não importa o idioma que você escolha para isso, mas é importante que a comunicação entre você e seus filhos seja clara e aberta.

Já notamos como as nossas pequenas reagem muito melhor (são mais obedientes e prestam mais atenção no que falamos) quando dedicamos um tempo para explicar as coisas para elas.

A maior já está na fase de perguntar sobre tudo e é de uma inteligência ímpar para a sua idade, mas, embora pareça que ela entende (e até argumenta certas coisas), nem sempre ela realmente entende o que queremos dizer!

Então, com paciência (volte no item 3, se preciso), com tempo (lembra do primeiro item da lista?) você pode explicar o que quer que seja e ter a certeza de que seu filho entenderá o que precisa ser feito ou entendido.

9. Deixe-os abrir as asas …

Já dizia a minha mãe (e antes dela, a minha avó) “filhos devem ser criados para o mundo”.

Hoje em dia aquela frase faz ainda mais sentido pra mim, afinal eu mesmo “fugi para o mundo”, na condição de filho, quando vim morar no Japão!

Contudo, aquela frase não tem apenas o sentido literal! Entendo que “ser criado para o mundo” também significa que nós (pais) temos a obrigação de ensinar nossos filhos a serem pessoas boas em todos os sentidos. Prepará-los para serem independentes na vida.

Para isso, inevitavelmente eles vão precisar errar. E quando isso acontecer (e vai acontecer) é a hora de agir para ensiná-los.

Mantenha a calma e seja paciente (lembra do item 3?), dedique um tempo para explicar para o seu filho/a (aqui, falamos do item 1) o que aconteceu de errado e como ele/a poderá superar o problema!

Isso tem funcionado muito bem com as minhas pequenas e tenho certeza de que funcionará contigo também.

10. Seja feliz! Aproveite o agora.

O agora, ah o agora!

Depois que nos tornamos adultos, a vida parece se tornar tão complicada e cheia de obrigações, certo? Eu sei, acho que todos sentimos a mesma coisa, e o que é mais comum é ver as pessoas colocando a felicidade no que vai acontecer no futuro!

Quando se é criança tudo é tão mais simples!

Seja pela ingenuidade ou pela pouca maturidade das crianças, o fato é que elas sabem ser felizes aproveitando o “agora” sempre que possível!

Brincadeiras simples são divertidíssimas, mesmo quando com “brinquedos” extremamente rudimentares!

Outro dia, em um final de semana, chegamos em casa depois de um dia atarefado com coisas sem graça! As meninas pareciam um pouco entediadas, mesmo depois de várias horas na rua, então decidimos fazer uma brincadeira simples em casa!

Em folhas de papel, desenhei alguns peixes e pedimos que elas pintassem com tintas a base d’água. Depois de secos (apenas alguns minutos mais tarde) recortamos e colocamos clipes metálicos em cada um dos peixinhos!

Sabe aqueles imãs de geladeira? Com fita adesiva, barbante e um par de “hashis” (os tradicionais palitos japoneses para comer) montamos pequenas varas de pesca! Estendemos uma coberta no chão e voilá … tínhamos um lago cheio de peixinhos!

Não preciso dizer que elas ficaram mega felizes de passar um tempão brincando de pescaria junto conosco, né! 🙂

Elas não estavam felizes por brincarem de pescaria com peixinhos de papel em um lago de cobertor! O que realmente fez elas ficarem radiantes, foi passar um tempão brincando intensamente com a mãe e o pai.

Simples assim. 🙄😉

Até o próximo texto.

Uma nova mudança de endereço! Dessa vez 100% satisfeito.

Na última vez que nos mudamos, na época de Mie para Kanagawa, contratamos uma empresa brasileira para fazer o transporte! Resultado: mega insatisfeito (leia o post no link acima).

Dessa vez, nos mudamos de Kanagawa para Tóquio e contratamos uma empresa de transporte japonesa. Como você já pode estar imaginando, sim, a satisfação foi 100%. E isso não é demagogia.

Bastou uma ligação de 5 minutos e já estava com a visita do agente da empresa marcada. Ele foi pontual, chegou em casa no horário marcado para avaliar tudo o que seria transportado e passar o orçamento. No melhor estilo, estava vestido formalmente e trazia consigo todo o material necessário.

Passamos por todos os cômodos do apartamento, expliquei o que seria transportado e o que eu me desfaria antes da mudança. Simples assim, no final da conversa, ele me apresentou um orçamento onde já estava incluso a retirada e reinstalação do ar-condicionado.

Assinei e ele correu no carro para buscar as 60 caixas de vários tamanhos para eu embalar minhas coisas, sem custo adicional.

No dia da mudança, dois caminhões chegaram em casa. Não que usei os dois, mas um foi enviado para backup. Os funcionários forraram todo o caminho (pisos e paredes) com protetores, desmontaram móveis e embalaram o que ainda faltava. Sem custos adicionais!

Em pouco mais de 2 horas já estavam prontos pra partir. 

Sessenta quilômetros depois, uma hora e meia mais tarde, os caminhões estavam parados na frente do novo endereço. A descarga levou cerca de outras 2 horas e 40 minutos, com os rapazes da empresa de mudança colocando as caixas dentro do apartamento, já separadas nos devidos cômodos (de acordo com as anotações em cada caixa) e remontando os móveis nos locais indicados!

Ufa, acabou! Não, ainda não.

Para a nossa surpresa, o funcionário (líder da equipe) me entregou um pequeno folheto de enquete anônima, o qual eu poderia preencher e enviar pelo correio sem nem mesmo precisar pagar o selo, e me entregou um celular, no qual já aguardava na linha uma pessoa da central de relacionamento com o cliente pra saber se eu tinha alguma dúvida ou reclamação em relação ao serviço prestado! 

Okay! Feito o pagamento, recibo entregue, os rapazes se despediram, juntaram todos os equipamentos e forros utilizados no transporte e seguiram seu rumo.

Resultado? 100% satisfeito.

Assim como essa, existem dezenas de outras empresas de transporte que prestam serviços com a mesma qualidade. Contudo, se você estiver curioso, ou precisar do mesmo serviço, este é o nome e telefone da empresa que contratei: おかだ引越センター ( Okada Hikoshi Center ) , telefone: 0120-55-2121.