Exames de proficiência de Inglês.

The book is on the table“! Imagino que esta seja uma das primeiras frases que se aprende ao iniciar os estudos de Inglês. Se não for a primeira, pelo menos é a mais famosa! 🙂

T.O.E.I.C Certificate Example. Score: 875
Fazer um curso de idiomas é muito bacana e gratificante, especialmente quando existe a real vontade de aprender, não apenas para satisfazer os anseios de pais, ou, cumprir com a grade curricular do colégio ou faculdade!

Aprender um segundo ou terceiro idioma, além de divertido, pois lhe permite fazer novos amigos internacionais, também abre várias novas oportunidades de evolução na carreira e crescimento pessoal.

Com a “globalização”, está ficando cada vez mais comum as empresas pedirem que os candidatos a emprego tenham, pelo menos, o conhecimento de um segundo idioma, que normalmente é o Inglês.

Para muitas destas empresas, considerando que o Brasil possui várias escolas de idiomas muito bem conceituadas e que algumas delas, inclusive, possuem unidades espalhadas pelo Mundo, basta que o candidato apresente um certificado de conclusão do curso, emitido por alguma dessas escolas, ou ainda, que converse um pouco com o entrevistador no idioma escolhido, para que esta habilidade seja aceita.

Porém, quando falamos de oportunidades internacionais, sejam as de emprego ou as de ingresso em instituições de ensino, normalmente, o simples certificado emitido por escolas de idiomas não tem qualquer valor, pois estas não tem um reconhecimento internacional.

É preciso comprovar!

É justamente neste ponto que entram os testes de proficiência. Existem diferentes testes amplamente aceitos pelo Mundo, contudo, normalmente existe um tipo de exame que é mais aceito para algumas atividades do que outros. Por exemplo:

Sigla Nome Descrição
T.O.E.I.C Test of English for International Communication Segundo o Wikipedia, o “Teste de Inglês para comunicação internacional” (em tradução livre) é um dos exames com maior aceitação mundial para o mundo dos negócios;
T.O.E.F.L Test of English as a Foreigner Language Segundo o Wikipedia, “Teste de Inglês como um idioma estrangeiro” (em tradução livre) é um dos mais requisitados para estudantes estrangeiros que tentam ingressar em universidades de países nos quais o Inglês é o idioma oficial;
I.E.L.T.S International English Language Testing System Assim como o T.O.E.F.L, o “Sistema Internacional de Teste do Idioma Inglês” (em tradução livre), segundo a Wikipedia, é principalmente requerido para estudantes estrangeiros que tentam ingressar em universidades, mas, ele é aceito especialmente no Reino Unido, Austrália, Nova Zelândia.

Estes são exames aplicados por entidades internacionalmente reconhecidas e que emplacam em “maior” peso para o currículo do candidato.

Ok! Mas agora voltando a falar da minha experiência … 😛

Bom, já faz um bom tempo que penso em tirar a certificação de proficiência no Inglês! Na verdade, já pensava nisso desde a época em que fazia curso na Cultura Inglesa! Sempre adiei a decisão por conta dos altos custos no Brasil!

Há alguns meses, conversando com um amigo, que é professor de Inglês aqui no Japão, finalmente decidi fazer o exame, pois a escola dele (Home English School) presta assessoria e prepara os candidatos ao T.O.E.I.C.

Com a assessoria deste meu amigo para me inscrever no teste, fiz um simulado na escola dele para ter uma idéia do que esperar como resultado, o que ajudou muito na hora de fazer a prova real, pois no simulado dá para ter a precisa noção de como é o processo da prova e quais as dificuldades durante o teste.

Depois de ter feito o teste, fiquei com a sensação de que eu já deveria ter aplicado para testes como esse muito antes, pois embora um pouco caro, o resultado do investimento feito é a plena comprovação da sua habilidade em outros idiomas!

Então, fica a dica …

Na dúvida entre fazer o não o teste, especialmente por conta do valor do exame? O meu conselho é faça. Sem sombra de dúvidas, vale a pena.

Se você está no Japão e pensa em fazer o exame, a minha sugestão é que você procure fazer um simulado antes para se ambientar! Neste caso, a melhor pessoa e escola que conheço para te ajudar é a Home English School.  Procure pelo Ivan.

Você já fez o teste? O que achou? Compartilhe sua experiência.

Um abraço.

Ficamos frustrados … (!)

Nos 15 primeiros dias de volta ao Brasil, nós ficamos hospedados na casa de parentes em São Paulo. Logo nos primeiros dias,  fomos a um hipermercado próximo de onde estávamos para comprar um novo par de escovas de dentes.

O “passeio” pelo hipermercado não teve nada de especial, passamos por vários corredores, olhamos vários itens, mas acabamos saindo da loja apenas com o par de escovas que havíamos ido buscar!

A “grande surpresa” e a frustração veio mesmo na hora em que passamos pelo caixa para pagar o produto que havíamos pego. Não consigo me lembrar da marca das escovas, mas lembro bem que era uma promoção daquelas “leve 2 e pague 1” e, que o produto estava anunciado na prateleira por R$5,99!

Ao passar pelo caixa, a operadora registrou o produto e em seguida perguntou se haveria outro produto a ser adicionado. Sinalizei que era apenas aquilo e ela  respondeu: “R$5,99 senhor”.

Até aí, sem problemas. Tirei 3 notas de R$2,00 da carteira e entreguei à operadora. Ela, naturalmente, pegou as notas e as colocou na gaveta do caixa, fechou a gaveta, confirmou o pagamento no sistema e cruzou os braços olhando para nós, que estávamos ainda parados em frente ao caixa!

Alguns longos segundos se passaram enquanto a Ari e eu olhávamos perplexos para a operadora de caixa, até que perguntamos:

– E o nosso troco?

– Ah, é difícil né senhor! – respondeu a operadora

– Como assim, é difícil?! – perguntei perplexo – eu gostaria do meu troco, falei para a operadora.

– É difícil ter este troco senhor! Se o senhor quiser, pode pedir no “Atendimento ao Cliente” – respondeu ela!

Muito indignados e frustrados com a situação, agradecemos  a operadora e saímos.  Agora, tenho que confessar que o mais frustrante de tudo foi o que a minha mãe nos falou ao comentarmos do caso … “ai meu filho é até uma vergonha pedir o troco de 1 centavo”, disse ela!

Vergonha (?!) … acho que vergonhoso mesmo é uma loja comercial, seja ela qual for, não ter o troco correto para das aos seus clientes, mesmo que seja apenas um mísero R$0,01, afinal, dinheiro é dinheiro! :/

Bom, tudo bem! Você que está lendo pode até concordar com o que minha mãe nos disse, mas agora, vou explicar o porque de nossa frustração …

Antes de morarmos no Japão, pensávamos desta mesma maneira. Nunca fomos do tipo que se preocupava com o arredondamento feito pelo comércio em geral, no Brasil, especialmente pois este arredondamento de valores faz parte do “jeitinho brasileiro” para facilitar troco, etc … até aí, tudo bem!

Mas, durante o tempo em que moramos no Japão, aprendemos que o dinheiro, por menor que seja a sua quantidade (R$0,01 por exemplo) não deixa de ser dinheiro e, é claro, tem o seu valor!

A moeda do Japão não usa fração de centavos, como no Real. Contudo, com 1 yene, você não consegue comprar nada, assim como com 1 centavo, no Brasil! Porém, se algum produto custar 17 yenes (por exemplo) e você tiver apenas 15 yenes, você não poderá levar! Da mesma forma que se você chegar com 18 yenes, certamente receberá o troco de 1 yene!

Dessa forma, com o tempo, aprendemos a dar valor para cada 1 yene/ centavo que nos é devido ou que temos que pagar e, acabamos esquecendo do “jeitinho brasileiro” de arredondar valores para facilitar troco, etc … mas principalmente, esquecemos da “cara de pau” das operadoras de caixa (claro que existem aqueles que não fazem desta forma) que simplesmente, sem qualquer cerimônia, “esquecem” de ao menos fazer aquela tão famosa e já manjada perguntinha … “Senhor, posso ficar te devendo … ?”

Pelo menos quando havia a “perguntinha”, nós consumidores acabavamos nos sentindo respeitados, já que ao menos o comerciante se mostrava “interessado” em nossa opinião! Agora, sem a perguntinha, o sentimento é de puro descaso e desrespeito, já que trata-se do dinheiro alheio!

Enfim … 🙂

Em breve novos posts!