A busca por trabalho fora das fábricas.

Logo que chegamos no Japão, já começamos a busca por trabalho. Também fizemos isso na primeira vez que viemos, relembre aqui.

Cada uma das nacionalidades estrangeiras que vivem no Japão tem diferentes padrões para aquelas atividades mais fáceis de se encontrar trabalho.

Para os brasileiros o caminho mais comum é o do trabalho em fábrica. Não sei dizer se isso tem relação direta com a escolaridade, especialização técnica, ou mesmo, com fatos históricos, como o da imigração de japoneses ao Brasil na época da guerra, onde eles também eram normalmente direcionados aos trabalhos agrícolas!

Mas o fato é que trabalhar em fábricas é normalmente o caminho mais fácil e rápido de se arrumar um trabalho por aqui.

Bom, mas também é fato que este não é o único caminho!

Desta vez, o nosso objetivo de retornar ao Japão nos pedia um tipo de trabalho mais gratificante, motivador e desafiador do que os rotineiros e braçais trabalhos industriais! Queremos algo que nos ajude a crescer pessoal e profissionalmente, com a preferencia de seguirmos em nossas áreas.

Encontrar um trabalho “fora de fábrica” é sem duvida nenhuma uma tarefa nada fácil, pois envolve uma infinidade de variáveis e não depende apenas de voce, mas também sem qualquer dúvida, não é impossível.

Pra resumir: é necessário sonhar, mas mais do que isso, é preciso ter iniciativa, ser persistente e acima de tudo, acreditar.

Vou lhes contar a minha experiência …

Ao todo, desde que chegamos pela segunda vez no Japão, foi mais de um ano de intensivas buscas por uma oportunidade!

Ao longo deste desgastante processo, fiz diversas entrevistas (por telefone, pela Internet e pessoalmente). Também perdi a conta de com quantos recrutadores (head hunters) conversei.

Me cadastrei no site de muitas empresas “especializadas” na colocação de estrangeiros em companhias japonesas e preparei muitos currículos. Fui algumas vezes para Tóquio, de carona com amigos (saindo de madrugada e voltando a noite), ou, de ônibus (embarcando à noite para chegar pela manhã na cidade e retornar na noite seguinte).

Muitas foram as vezes que não recebi o feedback das empresas (algumas delas mesmo depois de passar por varias etapas de seleção) e, também, fiquei por vários dias “me torturando” na espera …

Por alguns momentos pensei em desistir! Mas depois, novamente ganhei forças, quando pensava que fazendo isso, todo o esforço seria jogado ao lixo …

Enfim, muito algum tempo depois, graças a Deus, ao incansável esforço de alguns amigos e também ao carinho, paciência e apoio incondicional da minha esposa (Arianne), encontrei uma excelente oportunidade, que se mostrou ainda melhor do que aquela que estávamos buscando! 🙂

Hoje, com o voto de confiança das pessoas e da empresa que acreditou no meu potencial, estou trabalhando na minha área de formação (TI), onde posso agregar valor como profissional, inclusive usando muito do meu perfil empreendedor, e também, onde posso aprender muito no ambiente ao qual estou inserido.

Foi um caminho (realmente) longo, muito mais longo do que qualquer outro que eu já tinha trilhado antes, mas conseguimos transpor de cabeça erguida e tirar uma enorme lição disso tudo, o que nos fez crescer ainda mais como pessoas.

Então, aproveito para deixar aqui o meu especial agradecimento à todos vocês* (nomes e agradecimentos especiais no final) que participaram diretamente comigo desse desafio e que estiveram o tempo todo acreditando no meu potencial e sonho. Também aos que indiretamente nos motivaram e trouxeram boas energias, mesmo distantes fisicamente.

Obrigado.


* Agradecimento especial para:

Deus:
Por permitir-nos ter saúde e disposição para continuar em frente.

Arianne:
Minha amada esposa. Sou louco por você! 😉
Nada disso seria possível sem o seu apoio!

Aline e Diego:
Por toda a sua alegria e motivação, que nos impulsionou na direção certa.

Hélio:
Pelo apoio, conselhos, visão e paciência desde que nos conhecemos!

Ernesto:
Pelo apoio e paciência ao longo desta e de outras jornadas!

James:
Por acreditar no meu potencial.
(Thanks for trust in my potential!)


E você, já passou por algo parecido? Compartilhe. 😉