A rotina de trabalho japonesa

Uma boa parte dos nossos conterrâneos, que vivem e trabalham no Japão, vem com o sonho de chegar aqui, trabalhar duro para juntar uma grana e voltar ao Brasil para conquistar alguns sonhos de consumo, ou mesmo, pagar dívidas que foram criadas por tais sonhos.

Isso faz com que esta galera, pelo menos no início, chegue extremamente focada e dedique 100% do seu tempo livre ao trabalho, fazendo exagerados números de horas extras e esquecendo de reservar um tempo para estudar, se aperfeiçoar, ou mesmo tirar um tempo para relaxar a cabeça e o corpo.

Com isso, a jornada de trabalho (para quem trabalha na indústria) é longa e árdua, chegando a ser de até 16 horas diárias de trabalho, de segunda a sábado e, por vezes, de segunda a segunda, dependendo do calendário da empresa. Contudo, é claro, o retorno financeiro é certo.

Na medida em que o tempo passa, a rotina exaustiva e a falta de tempo, faz com que a maioria dessas pessoas perca o foco e comece a gastar seu ganho com futilidades , adiando o sonho do início e criando uma falsa imagem de que o Japão é um péssimo país para se viver, pois aqui só se trabalha, pois existe preconceito, etc.

Preconceito com estrangeiros existe sim, mas isso é assunto pra outra hora.

Bom, no meu ponto de vista, a jornada de trabalho do Japão é igual a de muitos países do Mundo, incluindo o Brasil. O que realmente é diferente é a forma como os japoneses encaram a rotina de trabalho.

Enquanto os brasileiros enxergam a família em primeiro lugar, os japoneses enxergam o trabalho. Para eles, segundo o que me contaram, “sem trabalho não se tem dinheiro, e sem dinheiro, não se tem família”. Já o brasileiro, no meu ponto de vista, pensa que a família está a frente até do dinheiro, pois “posso estar sem dinheiro, mas ainda assim, terei uma família”!

Em um escritório tradicional japonês, reza a lenda que, os funcionários seguem uma rígida regra de “etiqueta”, onde “não se pode ir embora” antes do chefe, mesmo que o seu trabalho já tenha sido concluído. Neste caso, acabam ficando muitas horas desnecessárias e, eventualmente, improdutivas e certamente não remuneradas. Esta rotina acaba se tornando cansativa e desmotivadora para todos.

Bem, essa regra não se aplica à todos. Dizem que não há problemas se você não ficar até mais tarde, cumprindo rigorosamente o seu horário de trabalho, desde que suas tarefas estejam feitas. Mas, ainda segundo os japoneses, “aquele que não se sacrifica pela empresa, também não deve esperar por uma promoção ou aumento no salário”.

A “boa notícia” é que muitas empresas japonesas estão dispostas a contratar estrangeiros. Algumas delas, embora muito poucas ainda, estão indo além e estão buscando se adaptar para a globalização, trazendo para o ambiente corporativo os “novos conceitos” ocidentais, mas preservando a qualidade nipônica!

Onde buscar por referências de qualidade?

Você sabe onde buscar a opinião de outros consumidores quando se está interessado em comprar algum produto, ou consumir algum serviço de alguma empresa que anuncia amplamente nas mídias disponíveis?

Pois é! Passamos por este mesmo dilema quando chegamos no Japão pela segunda vez e enquanto folhávamos as revistas e catálogos destinados à comunidade brasileira do Japão.

As várias revistas especializadas na comunidade, especialmente as mais conhecidas , funcionam basicamente como catálogos de anúncios para a venda de produtos e serviços, seja por empresas japonesas, mas principalmente para empreendimentos da própria comunidade, oferecendo seus produtos ou serviços.

Bom, na verdade o grande “problema” não é onde encontrar os anúncios, mas sim como saber que as empresas anunciantes e seus  produtos e serviços são realmente de qualidade? Acreditando que este não é um dilema enfrentado apenas pelos estrangeiros que vivem no Japão, mas sim uma dificuldade de todas as comunidades ao redor do globo, resolvi colocar a mão na massa para “ocupar” esta lacuna, ou pelo menos uma parte dela …

Assim, surgiu o Vailah!. 🙂

Atualização: o Vailah! foi descortinado por várias razões. Hoje não está mais acessível.

O Vailah! é um guia de opiniões, estruturado como uma rede social, onde podemos compartilhar as nossas opiniões sobre as empresas com as quais já tivemos alguma  experiência de consumo (entre produtos e serviços). Se a empresa ainda não estiver cadastrada no site para receber uma avaliação, você mesmo poderá adicionar!

Um centro de referência baseado na confiança mutua dos consumidores e que pode também ser utilizado pelos fornecedores (empresas e profissionais autonomos) para divulgar os seus negócios com base na opinião de seus clientes.

Embora a ideia principal seja a informação sobre as empresas, no Vailah! nós também podemos dar dicas (com fotos) sobre lugares que nos agradam e fazer check-in naqueles onde já estivemos; seguir outras pessoas dentro da rede para acompanhar as opiniões e sugestões delas; etc.

Se você curtiu a idéia e quer ajudar, veja como poderá fazer:

Por enquanto a rede ainda está em versão beta e, por isso, apenas que é convidado tem acesso, mas você pode solicitar o seu convite na página inicial do site, ou, pedir para alguém que já participa te convidar.

O que achou da idéia? Deixe a sua opinião 😉