Visto de residência permanente 

Se você pretende se candidatar ao visto de residência permanente do Japão, aqui vão algumas dicas, todas puramente baseadas na experiência que tive ao fazê-lo.

Para o processo de apenas uma pessoa, já são muitos os documentos requeridos. Quando é para a família toda, então!

Todos os processos (embora possam serem submetidos juntos, como se fosse um) precisam ter ao menos a cópia de todos os documentos e formulários exigidos no trâmite. Os originais podem ser concentrados em apenas um deles, mas os demais precisam ter todas as cópias.

Qual a (grande) vantagem de se ter um visto de residência permanente, quando já se tem o de longa permanência? Bom, no meu caso, simplesmente porque com um visto permanente:

  • Não há a necessidade de renovar o visto a cada 3 anos;
  • Como residente permanente, há mais facilidade para se ter acesso a créditos;
  • Em viagens ao exterior, pode se permanecer por mais tempo sem retornar ao país, sem o perigo de perder o visto;
  • Para fins legais e burocráticos, você sinaliza ao país que tem um vínculo maior com a comunidade na qual está inserido;
  • Entre outros.

Candidatar a família toda para o novo estatus de residência, sem o auxílio de uma agencia/despachante “especializada”, exigiu uma dose extra de organização. São vários os documentos exigidos e a comunicação é feita no idioma local, ou seja, em Japonês. Mas é perfeitamente possível usando Ingles e, eventualmente, Português em escritórios regionais de imigração que contém com tradutores! Claro, se você não fala bem o japonês, também pode levar um tradutor de fora! 

Cada candidato ao visto, com raras exceções, precisa estar presente no escritório de imigração, caso contrário, os inspetores não aceitam o processo, mesmo com todos os documentos disponíveis.

Se você é daqueles, que como eu, já morou em algumas cidades diferentes pelo país em menos de dois ou três anos, precisará solicitar alguns documentos para as prefeituras da cidade onde morou. 

Este pedido pode ser feito pessoalmente, o que normalmente não é viável (pela distância), ou por correio. Geralmente as prefeituras disponibilizam formulários para este fim.

Nas regiões de Tóquio, a previsão para a conclusão do processo é de 6 meses a 1 ano, pela alta demanda da região.

No meu caso, o tempo de espera foi de exatos 6 meses.

Depois que se da a entrada no processo, começa uma investigação minuciosa sobre a sua vida no país. 

O órgão vai buscar toda a informação sobre a sua estada por aqui nos últimos dois anos, incluindo mas não limitado ao: pagamentos de impostos; tempo desempregado; valores recebidos; atividades criminais; dívidas contraídas; infrações de trânsito; etc.

Se tudo estiver de acordo com o que se espera – um cidadão de bem que possa contribuir com a sociedade em um determinado nível, então, você receberá a nova permissão de permanência.

Alguns detalhes são importantes:

1. Seu visto atual deve estar válido até o dia em que você receber o novo estatus.

 Se ele estiver para expirar, mesmo que isso aconteça depois que você tenha dado entrada, certifique-se de renová-lo normalmente. Assim, se algo der errado, você não estará ilegal.

Se o visto atual vencer e você ainda não tiver recebido o novo, você estará ilegal e poderá deixar de receber o permanente, além de correr o risco de uma deportação!

2. Mantenha o processo atualizado.

Se por um acaso você se mudar durante a tramitação do processo, certifique-se de informar seu novo endereço para a imigração o mais rápido possível. Se isso não for feito, você poderá ser penalizado e não receber o novo visto.

3. Seja um bom menino/ menina.

Evite “sair dos trilhos”. Isso pode fazer com que seu novo visto seja cancelado, mesmo que aconteça enquanto o processo já esteja em análise.

Se você der entrada no processo pessoalmente, ou seja, sem ajuda de agências/ despachantes, o custo para a emissão de cada visto, até a data em que escrevi este post, é de:

  • ¥8,000 para visto permanente/ pessoa.
  • ¥4,000 para visto de longa permanência/ pessoa.

O valor apenas será cobrado se o visto for expedido. Caso negado, o processo não terá custo.

Já, se você optar por fazer o processo via agencia/ despachante autorizados, o preço será bem mais salgadinho! :O

Se este post te ajudou ou se você tiver outras dúvidas, deixe seu comentário. Ficarei feliz em responder.

Um abraço.